15 de junho de 2014

Proteção infalível


"O Senhor é a minha luz e a minha salvação; 
a quem temerei? 
O Senhor é a força da minha vida; 
de quem me recearei?" (Sl 27.1)


Aprendi a duras penas que estar bem é uma situação inquietante para os fracassados de plantão. Já cheguei a omitir minhas satisfações para não atiçar o despeito alheio. 

Atualmente, além de não negar meu bem-estar --não estou apenas "bem", estou "ótimo"--, mantenho em fácil acesso uma tábua com madeira não tratada para emprestar aos que gostam de cotovelos esfolados. 

Agressivo? Não. Apenas aprendendo a não me abater com o que dizem, pensam, acham, intuem etc.

Para não usar minha madeira de tratamento de cotovelo, basta aprender a celebrar comigo. Gosto de comemorar tudo. Desde a reforminha no criado-mudo feito em casa, até a compra da casa nova, troca do carro, ingresso na faculdade. 

Gosto de receber notícias do casamento, da gestação, do novo emprego, do emagrecimento (para quem precisa) e do ganho de peso (pra magrelos como eu).

Se quem me cerca está bem e coleciona conquistas de modo honesto, sem armar rasteiras, sem fazer tramas, sem azedar a alma, tenho imensa satisfação em ver o sorriso do meu próximo.

Sempre pedi ao Senhor que me ensinasse a ser útil tanto a Ele quanto a quem me cerca. Apesar de mim, sei que me atende.

Embora reconheça minhas inúmeras limitações, tenha a rabugice como patrimônio imaterial, cobro de mim mesmo o aprimoramento da capacidade de servir. Sou o meu pior carrasco.

Isso posto, um abraço para quem sabe celebrar comigo e até mais ver para quem insiste em trilhar o caminho da inveja. Vai demorar um pouco, mas você vai aprender que abençoar, partilhar é melhor que amaldiçoar e querer tomar.

Afinal, estou muito bem guardado e sei que esta proteção não é mérito, é favor imerecido que está acessível a tantos quantos queiram.

5 de junho de 2014

Rede Globo, Galvão e eu


Existe um certo discurso repetido por alguns evangélicos, simpatizantes do esquerdismo idiotizado, integrantes de torcidas organizadas ou anarquizadas e outros setores da sociedade que adoram fazer postagens do tipo "abaixo Rede Globo", "Fora, Galvão" etc.

Entretanto, ainda acredito que as pessoas não perdem suas habilidades motoras ao ouvirem a voz do Galvão Bueno. Ou perdem? Ficariam paralisadas ao verem uma cena de filme ou de novela que ofende seus padrões morais e éticos?

Diante da tela da televisão, com os receptores sintonizados na Globo, o cérebro para de se comunicar com os membros superiores de modo que o braço não mais alcança o controle remoto e, se já está com o apetrecho em mão, os dedos não conseguem pressionar outro número de canal?

Não existe emissora de conteúdo 100% palatável. Como não ouvimos apenas coisas agradáveis em todos os lugares que passamos. Todo o tempo estamos suscetíveis a ouvir coisas que nos desagradam. 

Na sala de aula, somos bombardeados por alguns professores esquerdopatizados que tentam incutir uma cultura de que pensar nos valores da Direita é crime. Em casos assim, fui obrigado a ouvir e olhe que estava pagando. Mas precisava fazê-lo para saber que asneira eu devia escrever de modo a agradar o avaliador.

Até mesmo na igreja, o ambiente onde mais gosto de estar, vez por outra ouço coisas que não me agradam e, por respeito, não posso levantar e dar as costas. Tenho apenas de fazer como recomendou o apóstolo Paulo: "Examinai tudo. Retende o bem." Simples assim.

A única Pessoa no universo que só diz coisas boas e úteis 100% das vezes que fala é conhecido como o Todo-Poderoso, Grande Eu Sou, Pai das Luzes, Eterno, Supremo, Excelso, Digno de Louvor, Criador, Onipotente. Mesmo assim, tem coisas que Ele diz que nos incomodam porque nos mostram erros e falhas. Há até aqueles que rejeitam a voz de Deus quando essa não fala o que lhe é agradável. Só que Deus não é canal de TV, nem faixa de rádio para negligenciarmos a voz sem um preço a pagar. Se a instrução vem dEle, acate-se.

Se vem da Globo, SBT, Band, Rede TV, Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo, CBN, Eldorado, JovemPan etc, aí merece a peneira, crítica, acatar ou rejeitar. Só não precisa desse modismo oco do atacar gratuitamente porque é moda. 

Eu resolvo fácil: não assisto, não reproduzo. Simples assim.

31 de maio de 2014

Espetacularização religiosa


Não tenho nenhum óbice quanto a ação de graças pela vida de qualquer líder religioso. Acredito que a gratidão expressa de modo genuíno, com alegria, sem hipocrisia, é um bálsamo. Contudo, querer "espetacularizar" esta ação, sob a minha perspectiva, perde muito do seu valor. E foi esta a leitura que fiz no programa que foi ao ar hoje (31 de maio), pela Rede TV, mantido pela Igreja Assembleia de Deus - Ministério do Brás.

Por um longo tempo, o apresentador do programa e presidente da referida igreja, Samuel Ferreira, fez questão de anunciar algumas autoridades políticas que prestigiaram o culto em ação de graças pelo seu aniversário. Assisti as falas do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin e do vice-presidente da República, Michel Temer. Também estavam lá outros nomes como José Serra, Paulo Skaf etc. Ele fez questão de dizer que recebeu telefonema da presidente da República Dilma Rousseff.

O próprio Temer citou que o ato religioso de ação de graças, acabou por permitir que integrantes de correntes políticas tão divergentes estivessem "religadas", aludindo ao significado da palavra "religião". Lindo! Poético! Filosófico! Contudo, não me convence, tampouco me agrada.

Quem sou eu diante dele? Um anônimo para a mídia, é verdade. Mas, diante de Deus, com o mesmo valor. Afinal, o Cordeiro de Deus, morto em Jerusalém há cerca de dois mil anos, resgatou a mim e a ele, isto é, pagou o mesmo preço pela minha vida, como pela dele e de todos os homens: o preço de sangue.

Como disse o irmão do aniversariante, pastor Abner Ferreira, não tenho fama, mas sou importante, para Deus, para minha mãe, meu pai, meus irmãos, meus amigos. E, por isso, também posso falar.

Estou ficando cada dia mais irritado com a tentativa de adulteração do centro da fé cristã. No cristianismo que eu acredito e pratico EU NUNCA SOU O CENTRO, NEM NINGUÉM. O único que está o tempo todo em evidência, porque pode, porque é, porque faz, porque manda e ninguém desmanda, é Cristo.

A minha música, não pode me tornar um ídolo. A minha habilidade retórica, também não me faz subir a um trono de divinização. A quantidade de pessoas que dirijo pode me delegar respeito, autoridade, mas não centralização, "endeusamento".

Tudo o que faço dentro do reino de Deus tem um fim: A GLÓRIA DELE. Ademais, se canto, prego, escrevo, ensino, administro, lidero, limpo, construo, pinto, monto, desmonto etc, não são habilidades minhas, foram dadas por Deus. E, portanto, não posso querer mérito por aquilo que não é meu e, sim, de Deus. Se oro por um enfermo e ele é curado, isso não me torna diferente, especial. Evidencia apenas minha condição de servo de Deus e dos homens. Pois o evangelho legítimo ensina que não fomos chamados para sermos servidos, mas para servir. Foi isso que o Autor da Vida ensinou e praticou.

Sou cristão protestante com educação de berço. Não estou neste grupo religioso por ferro e fogo. Meus pais nunca me obrigaram. Foi minha escolha. Tal qual propôs Josué aos hebreus assim que cruzaram o Jordão.

Mantenho comunhão com pessoas de todas as denominações evangélicas e até outras correntes cristãs. Tenho divergências quanto a alguns costumes, mas mantemos acordo nos pontos doutrinários e cruciais da fé.

O fato de ser evangélico não me faz ter medo de falar contra o que não me agrada dentro da minha corrente religiosa. Pelo contrário, sinto-me credenciado a tal. Vou mudar o mundo? Não. Vou apenas manter minha consciência tranquila e meu fígado desopilado.

O evangelho não mudou seu centro: Cristo. O conteúdo da mensagem continua sendo a mudança do interior do homem e não apenas de seus recursos financeiros (prosperidade tosca). Cristo não chamou ninguém após si para ganhar chave de casa, carro, apartamento, temporada em resort. Ele propôs renúncia a si mesmo e tomar a cruz. Difícil? Pelo menos é claro. Sem rodeios.

Jesus, o Messias, continua sendo o padrão, o modelo, a Rocha, o Caminho, a Verdade, a Vida. Só Ele é o Pão Vivo que desceu do céu. É da sua mão que se pode beber água que forma dentro do homem uma fonte que salta para a vida eterna. Como escreveu o autor do Hino 8 da Harpa Cristã, José Rodrigues, "Cristo, o Fiel Amigo", "Ele só, Ele só"!

Pronto. Falei!

 
Powered by Blogger